Blog do Folhateen

Grupo de Apoio

 

Oralidade em um Torneio de Física

Por Luciana Marques

No início desse ano, recebi o convite de um amigo para participar de uma olimpíada de física diferente. Se você acha que olimpíadas de física são apenas provas escritas e individuais, saiba que nem todas são assim.

O Torneio Internacional de Jovens Físicos (International Young Physicits Tournment - IYPT) é uma olimpíada científica cujo principal diferencial são as discussões orais de problemas em rodadas de disputa chamadas 'Physics Fights'. A versão brasileira do torneio em 2010 aconteceu nos dias 10, 11 e 12 de Setembro, seguindo o modelo de realização do torneio internacional.

Porém, a divulgação dos problemas foi feita muito antes da realização dos 'Physics Fights', pois as resoluções são bastante abertas, nada imediatas e deveras complexas. São, ao todo, dezessete problemas propostos aos participantes, que se organizam em equipes de três a cinco pessoas.

A primeira fase do torneio aconteceu antes dos 'Physics Fights', para a seleção das equipes inscritas. Consistiu no envio de relatórios de cinco dos problemas propostos, sendo o critério de avaliação a qualidade dos relatórios enviados. E, neste ano, foram selecionadas dez equipes para o torneio, organizadas de tal maneira que cada uma participasse de pelo menos três 'Physics Fights'.

Um 'Physics Fight' se trata de um conjunto de três rodadas de disputa, e delas participam três equipes, cada uma com uma das funções de Relator, Oponente e Avaliador. Ao final da terceira rodada, as equipes terão passado por todas as funções.

E essas rodadas funcionam mais ou menos assim: a Equipe Relatora apresenta sua resolução de um problema, expondo suas principais idéias. A Equipe Oponente questiona a o que foi apresentado, e depois, as duas equipes discutem pontos importantes e que talvez não foram mencionados na apresentação. Por fim, a Equipe Avaliadora aponta os pontos positivos e negativos do desempenho das outras equipes.

Ao fim da realização dos 'Physics Fights', foi feita um levantamento da pontuação de cada equipe, e então nomeadas as três de maior pontuação para um 'Physics Fight' final. E, com muita alegria, minha equipe ficou entre essas três finalistas.

Quando aceitei o convite do meu amigo no início do ano, a idéia que eu tive foi de ajudar as pessoas que integrariam a minha equipe em pesquisas, e só. Eu não sabia bem o que esperar do torneio, e sempre fui tímida para apresentar trabalhos e falar em público, mas as coisas saíram de um jeito diferente daquele que planejei.

E pesquisei muito! Tive que ir além do conhecimento eu tinha para chegar na versão final da resolução do que problema que fiquei responsável por resolver. Foi inevitável criar um certo apego pelo meu trabalho durante a época das pesquisas. Simplesmente adorei escrever o relatório e preparar a apresentação, e percebi que quanto mais eu me dedicasse, melhor o trabalho ficaria. Gostei tanto que acabei nem considerando a idéia de pedir que outra pessoa apresentasse em meu lugar.

Entretanto, como eu estava em um grupo, não fiz tudo sozinha. Enquanto o meu trabalho avançava a cada semana, o dos meus colegas também melhorava, passava por transformações. Ajudamos muito uns aos outros pesquisando e opinando - crescemos juntos. No final das contas, talvez seja esse o grande desafio do torneio: o de trabalhar e se organizar em equipe.

Fiquei muito nervosa no 'Physics Fight' em que tive que apresentar o que eu preparei, e, sinceramente, não foi uma apresentação perfeita. Mas fiquei satisfeita por conseguir passar para as pessoas pelo menos um pouco do que eu fiz.

Todas as olimpíadas científicas são desafiadoras, mas, na minha opinião, nada se compara ao IYPT. O processo de estudo e pesquisa é fundamental, mas, nesse torneio, ele é insuficiente se outras habilidades não estiverem presentes, como as de trabalhar em equipe e expressar o que você sabe. Se o participante já possui esses talentos, muito bem. Caso o contrário, é possível que eles sejam desenvolvidos. Talvez com muito esforço, mas é possível.

No fim do torneio, minha equipe ficou em terceiro lugar. Nós e a equipe que ficou em segundo levamos medalha de prata para casa. O vencedor, obviamente, levou ouro, mas também houve medalhas de bronze e menções honrosas para outras equipes.

Bem, e agora? Felizmente, parece que o torneio vai continuar. Segundo o site do torneio nacional, as incrições para a edição de 2011 começam em outubro. E o legal é que, também segundo o site, o Brasil poderá enviar uma equipe representante para a edição internacional em 2011 ou 2012. Vamos torcer para que dê certo!

Escrito por Mayra Maldjian às 15h26

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Blog do Folhateen O Blog do Folhateen é o espaço de interação da seção publicada no caderno "Ilustrada", às segundas-feiras, e escrito pelos jovens que fazem parte do grupo de apoio.
Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.